sábado, 27 de março de 2010

Sobre os animais e tudo mais

O ser humano vive em incansáveis pesquisas e descobertas, a fim de tentar assumir que não somos animais. Mas somos os piores fingidores da história. Sempre seremos animais. Presenciei um momento que nos mostra a nossa real face.

Estávamos eu, Rafa e Mazinho. Meu primo, Rafa, tinha dinheiro para comprar um refrigerante, mas Mazinho tinha um real em mãos. Rafa quis então uma contribuição para comprar um refrigerante melhor, não vou citar o nome (como se fizesse diferença), mas Mazinho se negava a entregar todo dinheiro que tinha, que por sinal era apenas um real, ou seja, queria entregar apenas cinquenta centavos. Rafa tinha cinquenta centavos trocado, mas não queria apenas cinquenta centavos, queria um real. E foi essa mafuafa por cerca de 15 minutos:

- Me dá um real logo, Mazinho!
- Não, nem vem. Dou cinquenta, quer? Se não quiser deixa que eu compro um palito de cigarro ali, e trago o cinquenta.
- Não moço, vem cá então, deixa o dinheiro com Júnior!
- Com Júnior?! Ele é seu primo, pega meu dinheiro e te dá e eu fico sem cigarro.
- Pra que cigarro, Ma? Cigarro tem 1800 substancias tóxicas...
- 4700. Vai me dá um cinquenta?
- Ta bom, vem cá então... Solta o real moço! Solta o real, eu vou soltar o cinquenta!
- Solta o cinquenta então ué, vai, olha o real ta na sua mão, coloca que eu solto!
- Não, ta doido, te conheço Mazinho.
- Ta, eu vou colocar o real aqui na mesa e você coloca o cinquenta lá na pia, vai. E Júnior vai pra lá! Vai pra lá porra!
- Ta aqui! Vai.
Os dois correram e cada um pegou sua moeda. Doeu?

A desconfiança acaba com a humanidade. É por isso que preço das ancoras pra segurar carros em São Paulo em dias de chuva subiu tanto esse mês. Por isso que pararam com a doação mascaras na China e por isso que o preço da Bruna Surfistinha está este absurdo agora no Rio. Ninguém confia em ninguém.

Mas eu quero ver quando não tiver mais nada pra vender nem pra comprar, aí o animal vai sentir. Tomo mundo morre, e o que agente cobrava tão caro vai ficar para essas baratas que morrem com uma mera chinelada. Mas também vai ficar até uma barata resolver não assinar o Protocolo de Kyoto, aí quero ver.

6 Cafezinhos:

Idiota disse...

A merda é que a gente vai vivendo essas situações toscas e quando alguém faz algo bom, desconfia. Tem aquele típico pensamento :"O que será que ele quer fazendo isso?"

bj

Akedism é a minha palavra de verificação. fiquei pensando o que ele poderia significar, uma hora dessa da madrugada de sábado. As palavras de verificação não deixam de ser uma forma de desconfiança. Precisa mesmo delas pra deixar uma merdinha qualquer de comentário? Alguém vai mudar o que escreveu ou só vai encher o saco?
Pois é...

Ricardo Chicuta. disse...

É O QUE EU SEMPRE FALO,OU MEU SALÁRIO AUMENTA OU AS PUTAS ABAIXAM O PREÇO,PORQUE FIADO ELAS NÃO FAZE3M,SÃO DESCONFIADAS...
Caps Lock de merda...

Erica Ferro disse...

Se a gente acredita demais, a gente se ferra.
Se a gente desconfia demais, a gente acaba se ferrando também.
Ferrou, de qualquer jeito estamos ferrados. Oba!

Branca disse...

Então ao menos que seja com um um beijinho pra aliviar... jah que todo mundo vai ser ferrado.

rsrs

Ótimo texto!!

Jééh disse...

velho que lombra, ri muito/fato ^^

Cup160 disse...

Começei meu blog a pouco tempo e estou em divulgação ainda! se poder der uma visita e uma comentada agradeceria *-*
e se gostar do meu blog, SEGUI? *-.-*

brigado.