terça-feira, 8 de dezembro de 2009

1940-1980

Peço desculpas a todos que frequentam aqui e claro, a todos os membros deste blog. Hoje vou quebrar o protocolo e não escrever nada irônico e nada engraçado. Porque hoje, dia 8 de dezembro, faz 29 anos que John Lennon tomou nas costas cinco tiros que calaram sua música. E como sou amante da música sincera, nada mais justo que homenagear um dos maiores gênios que esta arte nos presenteou.

Hold on, John

Ele criou a raiva, porque dela se fez um poeta. Mentira que é do amor que se faz poesia. Suas melhores músicas de amor foram criadas pela raiva do julgamento de outros. É nisso que se vive um eloqüente. É preciso ter ódio para expressar. Ninguém diz “te amo” se não há uma guerra de sentimentos por trás. Ele brigou com os melhores amigos, guerreou com Deus e cuspiu na cara do diabo simplesmente pra poder ter fôlego e dizer “te amo”. Dizia que viver é fácil de olhos fechados, porque é frustrante sonhar e nisso ele acertou. Porque sempre algo dá errado.
Antes de um músico famoso com milhares de pessoas gritando pelo seu nome, ele foi um humano verdadeiro. Não digo verdadeiro no contexto de compaixão e harmonia com a sociedade. Foi verdadeiro porque errava e nos erros criava suas melhores conquistas. Era rude quando necessário e fazia paz quando lhe era conveniente. Besteira esse papo de que era da galera paz e amor. Ele queria mesmo é cuidar da própria vida. Lutou sim pela paz, mas percebeu que nada adiantava batalhar pelo pacifismo se sua vida era uma desgraça. Nada adiantava querer o mundo em harmonia se sua casa e amigos viviam em conflitos.
Esta foi a melhor lição que João nos deixou. Vamos ser humanos antes de querer no sobrepor a todos os outros. Dê conforto para seus amigos e amores antes de se amarrar em uma árvore impedindo a destruição de uma floresta. Arrume seu quarto antes de politizar na avenida Paulista. Diga "eu te amo" para o seu amor antes de amargar os defeitos dos outros. Dê bom dia ao vizinho antes de exigir respeito do sindico de seu prédio. João nos deu música, nos mostrou a raiva que sentia por todos nós a julgá-lo imbecil pelo amor que tinha por sua esposa. E desse grito que nós demos a ele, nos presenteou com um dos mais belos legados da cultura mundial: sua arte. Ser poeta é fácil, mas agir como um é arriscado. Mostre sua raiva para impor amor e admiração. Cuide de sua família para que sua casa seja sempre visitada por amigos.
João abriu mão da música durante cinco anos para cuidar de seu filho. Isto sim é uma revolução, porque sabia que errou na criação de seu primogênito e não queria fazer com que seu segundo filho sofresse por sua ausência. Porque sabia que a paz e o amor que ele tanto cantava jamais tinham entrado em sua própria casa. Aprendeu que nada adiantava ser um homem engajado se em seu ambiente tudo era motivo para guerra. Que nada adiantava cantar sobre amor se o amor que cultivava era a infelicidade na hora de dormir.

28 Cafezinhos:

Sabiana disse...

Me emocionei, Marcelo! Bela interpretação para o legado do João.

Almi Júnior disse...

Realmente, ficou fantástico. João viverá para sempre.

Edina Regina Araújo disse...

Amo teus textos!
Gosto demais ,porque eles sempre têm um contexto real e foca algo de valor . As palavras servem como condutoras ,elas por si só não servem para nada se não carregarem verdades . Assim como mais este teu texto carrega.Não suas Verdades impostas,mas a verdade do que você realmente sente e acredita ser.
O que admiro em teus textos meu amigo é que eles nos lembram de alguma forma ,que as coisas mais importantes estão sempre ao alcance de nossas mãos.
Assim como podemos todos juntos "IMaGINAR" um mundo melhor, a partir de cada pequeno gesto nosso. Pois as coisas mais lindas e realmente importantes são feitas quando ninguém as nota .São feitas sem público ,com sutileza e calma.Quando mostramos a um filho que não se julga as pessoas,quando ali no cantinho pedimos para que ele não jogue o lixo no chão,quando falamos ao seu ouvido o quanto é importante amar as pessoas e fazer com elas e por elas aquilo exatamente o que gostaríamos que fizessem conosco.
Parabéns mesmo meu querido! beijos pra vc!

Sil disse...

Caramba Marcelo,

Belas palavras... Fiquei boba ..
De fato.. foi um exemplo... não foi perfeito, claro.. e quem é??
Mas mesmo assim, deu sua parcela de bondade para este mundo....

"You may say,
I'm a dreamer
But I'm not the only one
I hope some day
You'll join us
And the world will be as one"

Bjos

DANIZINHA disse...

All you need is love.

John Lennon um nome gravado na história da humanidade que viveu com intesidade e....o resto todo mundo sabe.
Muita música boa. :)

BEIJOS

J.R disse...

Pois é!

E João, foi vítima da tal (RAIVA/AMOR) de um doido qq.


E VIVA João!!!


(E por falar nisso, vc vai no show do Paulo? Morumba?...eu vou, perdi o outro, este não perco).

Felipe A. Carriço disse...

Não sou Beatle Maniaco, mas eles marcaram a história do mundo com sua música e com esta tragédia.

SONHADORA disse...

PARABENS

AMEI SEU CHAPÉU

VOU SEGUIR S/BLOG
BEIJO DUMA PORTUGUESA

Vanessa disse...

pra começar! achei demais este texto. pq usou lennon para falar de nós mesmos. todo mundo tá cansado de saber sobre a música dele, que é demais, mas vc neste texto soube falar de atitudes e problemas dele que nos servem para pensar. realmente, nada adianta querer paz se não consigo resolver meus problemas. uma pena que quando ele encontrou a paz mataram ele. ótimo! lindo texto!

Jorge Oliveira disse...

Não basta ser artista. Antes transformem as celebridades em humanos.
É isso que falta meu!
Do caralho!

Tam disse...

Jonh Lenon foi um dos poucos que não viveu no demagogismo.
Suas letras eram vividas.

Ferdi disse...

Fiquei emocionada, de lágrima mesmo.
Linda maneira de se interpretar alguém, linda mesmo.

Graça disse...

Um dos melhores e maiores legados da humanidade...

Tb me emocionei bastante, Marcelo!

Parabéns por ter feito muitos enxergarem o lado verdadeiro de João, sob um novo enfoque.

Parabéns, rapaz!!!
E muito grata!-

°•~ ∂ąnnι °•~ disse...

Marcelo,

Eu faço parte das pessoas que não ouviram o Abbey Road dos Beatles...

Mas, por favor não desconfie de mim!!!!!

Bjs!


=)

Erica Ferro disse...

Mayer, já disse, você é massa!
Conseguiu emocionar-nos.
Vi John através de suas palavras. E gostei do que vi.

Receba meu abraço carinhoso.

Sabrina Noureddine disse...

Parabéns Marcelo,
Estou citando seu texto lá no blog, fantástico!!!
Abs.

Daniel disse...

Amo esse cara e até hoje (eu tinha apenas quase 2 anos quando mataram ele) vivo me perguntando o porquê daquilo? O que ele teria feito sobre os ataques de 11 de setembro? Sobre tantas outras guerras estúpidas como a do Vietnã?

Sua música e sua conduta mostra o ser humano, bem humano, que ele era. Mas como poucos.

Parabéns pela postagem. Pretendo tb lembrá-lo em meu blog hoje.

Se me permitir até indico este blog como referência porque gostei de como escreveu. Não quero me estender tanto.

abs

Mai disse...

Foi e ainda é, uma pancada na moleira.

Cara gostei de ler o time da pesada que escreve aqui no fluoxetina. Alucinantes e adoráveis loucos do maior gabarito.
Tentei enquadrar no CID mas não consegui. (risos)

Abraços e sugiro, se possível, editar os links de cada um junto ao perfil.

Abraços, Marcelo

Natacia Araújo disse...

Ele era do tempo em que se fazia música de verdade.
Boa Mayer!

Tiburciana disse...

Perfeita suas palavras como sempre
Bjos

Larissa disse...

concordo. um texto sobre o humano lennon e não sobre o mito lennon. ele era como nós. cagava, bebia, transava, respirava, chorava e etc. e não um deus como todo mundo prega

Glauco Guimarães disse...

Me lembro bem desse dia. Tinha 7 anos e meus pais me levaram para São Paulo, numa viajem de final de ano. Ficamos na casa de um amigo do meu pai. Quando apareceu no Jornal Nacional que O Lennon tinha morrido, eu nem sabia quem era. Perguntei. Me disseram. Um músico.

Menina Misteriosa disse...

Emocionante! Sensacional!

Sentimental ♥ disse...

na época não senti nada pq era muito pequena e não sabia direito o q era música, mas com o passar do tempo pude perceber a grande perda. ótimo texto.
bjs

dine disse...

.
João abriu mão da música durante cinco anos para cuidar de seu filho. Isto sim é uma revolução, própria casa. Aprendeu que nada adiantava ser um homem engajado se em seu ambiente tudo era motivo para guerra. Que nada adiantava cantar sobre amor se o amor que cultivava era a infelicidade na hora de dormir...

adorei adorei

Ianê Mello disse...

Excelente texto, Marcelo. Bela homennagem. Beijos.

Ana Seerig disse...

Sem dúvida um dos caras mais genias da música. Sem o John Lennon, a música teria perdido muitas coisas que tem hoje...

Anônimo disse...

OI Marcelo

Muito verdadeiro o seu texto. Simples e tão eloqüente. Amei!!!
"QUEM BEM FIZER, PRA SI É".
Adoro ler os seus comentários em blogs que visito(como o da Joie)